Skip to content

Mural Movimento Autônomo pela Educação – EE Profª Silvana Evangelista

junho 16, 2014

Nesta última quinta-feira fomos a escola EE Profª Silvana Evangelista, São Mateus, periferia de São Paulo, convidados por um companheiro do MAE (Movimento Autônomo pela Educação) fazer um Mural e conversar um pouco com os estudantes…

Como eram muitos estudantes, a conversa não rolou muito, mais uma apresentação do mural mesmo! Mas ainda assim foi legal.

Fizemos este mural com o escrito “Para que(m) serve seu conhecimento)? como forma de questionar o conhecimento encerrado dentro de uma escola, como também questionar de que vale o conhecimento se não faz nada com ele.

Foi uma experiência interessante e nova para nós!!!!

Muralismo Arte Libertária

DSC01526

DSC01537

Mural na Marcha Mundial das Mulheres – 30 de agosto de 2013

fevereiro 21, 2014

Mais um mural feminista !!!!!

Fomos chamad@s para apresentar o que é o muralismo (história, características, estéticas etc) e propor/construir/pintar um mural junto com as mulheres, no 9º Encontro Internacional da Marcha Mundial das Mulheres, que aconteceu na semana do dia 25 ao dia 31, no Memorial da América Latina. Foi uma semana com várias palestras, debates, oficinas com o tema do feminismo na América Latina, questões em comum, entre os países, como o Estatuto do Nascituro, as violências e também as resistências, as construções alternativas e coletivas de mulheres. Ficamos na tenda “Maria Lacerda de Moura” – e é claro que ficamos contentes de estar em uma tenda em homenagem a uma anarquista! Deram para nós pincéis, tinta branca, pigmentos e três tapumes. Algumas mulheres se aproximaram já com o interesse em muralismo, outras vieram aos poucos com curiosidade…

 

Imagem

Depois da conversa sobre muralismo, nos reunimos em grupos para discutir como seria o mural. Muitas conversas rolaram: espaços exclusivos para mulheres e/ou participação de homens na luta feminista, imagens defensivas ou que dão empoderamento, parto, aborto, autonomia, liberdade, marcha… enfim, com tantas ideias e pouco tempo para pintar, percebemos que a diversidade (mulheres de várias formas, cores, etnias, estilos…) e o slogan da marcha, no momento, seria um consenso do que pintar no mural (Ah e um mural de três tapumes. Primeiro, fomos riscando com lápis e giz e logo foram aparecendo os rostos e corpos diferentes, que apesar de respeitar a estética do muralismo (cabeças redondas, olhos amendoados, junção de uma sobrancelha com o nariz…), foram aparecendo muitas outras referencias , o que caracteriza ainda mais o muralismo: a construção coletiva, a colaboração e, é claro, a diversidade de que tanto valorizamos!

 

ImagemImagem

Foi anoitecendo e o mural já estava ficando pronto, graças à participação de todas: sejam as que discutiram mais na construção do mural, sejam as que ficaram à vontade para contribuir com as pinceladas e detalhes. Bem, gostamos muito do convite e mais ainda de pintar/debater/conviver com mulheres de vários lugares que trouxeram um bocado de experiências e vontades!

 

Imagem

 

 

Valeu demais!

Abraços Libertários,

Arte Libertári@.

Intervenção urbana: Contra as eleições de 2012

fevereiro 19, 2014

Imagem

Muralismo Praça Zumbi 2012

fevereiro 19, 2014

Imagem

Muralismo na Alcides de Queirós Set/2013

fevereiro 19, 2014

Com a frase de Eduardo Galeano “Os outros não são uma ameaça, são uma possibilidade” criamos um mural com a diversidade em luta.

Imagem

Imagem

Imagem

Mural em solidariedade aos estudantes mobilizados e ocupados no Chile

outubro 10, 2011

Faz pouco mais de 5 meses estourou no Chile um novo momento social que iniciou-se com o setor da educação, mas que se expandiu a outros âmbitos da sociedade.

São marchas semanais com presença de 100 mil, 200 mil pessoas.

O Chile durante a ditadura de Pinochet viveu um processo de implementação do neoliberalismo declarado, entre outras coisas a privatização da educação, desde então as Universidades Públicas são pagas, há financiamento de escolas de ensino básico privadas, onde as crianças e jovens não pagam, mas também não há melhorias na educação. Porém aí está o problema, a privatização da educação gerou um endividamento de estudantes e seus pais, já que eles tinham que ser a garantia do financiamento (os financiamentos são estatais ou privados).Além disso, a educação é super conservadora e católica.

Tudo isso veio a estourar em 2006 na Rebelião dos Pingüins (os alunos de ensino médio de lá, que tem que usar terninho e gravata), onde algumas conquistas foram realizadas, mas não a gratuidade universitária e a melhoria da qualidade de ensino básico.

As negociações realizadas pelos dirigentes não abarcaram todo o movimento, mas fez com que o movimento dos pingüins se silenciasse por um tempo.

Mas o silêncio nem sempre quer dizer o fim! E em maio deste ano, os estudantes secundaristas novamente levantaram sua voz, se fizeram escutar por todos os cantos do Chile. Foram colégios tomados e ocupados, panelaços, marchas com a presenças de estudantes, pais, professores, apoiadores, familiares, enchendo novamente as ruas do Chile e de Santiago de esperança e rebeldia. Uma paralisação de 2 dias, que praticamente parou o Chile, com participação em Santiago de mais de 400 mil na marcha.

Há jovens do ensino médio e pais em greve de fome (agora não mais, mas ficaram mais de 7a dias em greve). Mostrando que apesar da jovem idade compreendem muito bem a realidade que estão vivendo. São eles os responsáveis pela força do movimento hoje.

Vale lembrar que o Estado e a polícia chilena também respondem com grande violência, tirando a força os estudantes dos colégios, dispersando as marchas com os carros de jatos de água química, batendo com a maior violência que se pode imaginar e não imaginar nestes estudantes. Aqui também lembramos a morte de Manuel Gutiérrez Reinoso estudante de 16 anos assassinado pela polícia chilena quando acompanhava uma marcha estudantil!

Isso nos incentivou a propor e a pintar um mural junto com alguns estudantes e agora companheiros do Instituto Nacional de Santiago, em solidariedade e em apoio a luta que está longe fisicamente da gente, mas que a sentimos em nossos corações.

Por uma educação livre até a revolução social!

Viva os estudantes secundaristas mobilizados, as ocupações e a fuerza de quem não se faz silenciar!

A solidariedade não reconhece fronteiras!

Arte Libertária

Relato do dia da Ocupação Cultural, Sta Cecília – $P

setembro 2, 2011

No dia 21/08, domingo, foi realizado uma pré-atividade de Ocupação Cultural da Santa Cecília. A ocupação aconteceu no Sindicato do Correios, parceiro nesta atividade.

Começo do mural, que nesse caso foi realizado num tapume

Apesar do termometro não colaborar estava fazendo muito frio, as atividades ocorreram com tranquilidade e com um certo público prestigiando. Ainda temos muito por fazer, porque a luta é muito maior do que pensamos, imaginamos e teorizamos.

Por isso, cito a frase de um ilustre morador de Santa Cecília, que se dizia sindico de um prédio próximo aonde estava ocorrendo as atividades, que é mais ou menos assim: – “isso aí que vocês fazem, não é cultura e não é arte!” Tais palavras foram ditas na frente de policiais que o mesmo fez questão de chamar, para por “ordem e a lei do silêncio em prática”. Porém, logo depois o “nosso” sindico que também era artista plático, entrou em contradição e declarou que na verdade, não era o sindico, mas sim o vice-sindico de tal prédio. O que fez policiais e nos da organização rir de tal situação.

Bloco carnavalesco: Filhos da Santa

E isso nos fez pensar o que queriamos com essa ocupação cultural? Acabamos constatando que precisamos lutar, lutar por nossa cultura, a cultura que fazemos e insistimos e que queremos continuar a fazer. Queremos o nosso grafite, samba, cinekaos, vídeo popular e debates políticos.

Muralismo e violino

Esse morador, ele é só um reflexo da conjuntura colocada neste bairro. Onde madames mandam e desmandam. Esse mesmo bairro que tanto valorizamos por sua diversidade cultural, mas que muitos o abominam por essa estrutura e que querem realizar uma higienização local.

Passe Livre e campanha do Tarifa zero

Precisamos ocupar essas brechas, lutar, precisamos da contribuição de vários grupos e coletivos nesta luta. E aí sim, construir a próxima OKUPA!

Segue abaixo fotos do muralismo e de outros grupos que ajudaram a construir esse dia, porque como fala um amigo e também organizador: “É tudojuntomisturado!”

Outro  link que também tem relato da ocupação é: outubrovermelho.com.br

    

Mural finalizado: Liberdade aos/as presxs politicxs, a solidariedade não tem fronteiras!